sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Trecho do grampo

Me desculpe, estou com pressa
tenho um grande compromisso
depois a gente conversa
pra falarmos do serviço

Quer que eu dê logo um sumiço?
já sabemos da arremessa
chega as oito no cortiço
é só dar ordem expressa

Já sei bem o que se passa
sempre se encontram na praça
ambos com bolsas nas costas

Então prepare-se e faça
seja prudente na caça
depois me traga as respostas

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Pro caminho da mudança

Começaram os brados por justiça,
o choque do homem com o monetário.
Tropa de choque sem falar horário,
executam as ordens da cobiça.

Pra mulher velho pobre e operário
ainda partem da mesma premissa,
atacar e enxotar sem muita missa,
varrer o campo do proprietário.

Que se exploda o estado de tradição
com seus joguinhos de simulação
e toda essas promessas repetidas.

Aguardo o despertar da multidão
que trará o calor dessa nação
aos gritos nas gargantas incontidas.

Na mira desta

Estamira descobriu
Ele, o esperto ao contrario
do contrário ela assistiu
o tal conto do vigário

No lixão, seu território
organismo de arte torta
instalou laboratório
fez da mira sua porta

Questionou receituário
se desviou do covil
no real viu o cenário
da simulação febril

falou do contraditório
daquilo que ela suporta
do consumo compulsório
que só mata e não se importa

Aos troncos e barrancos

As vezes gosto de estar mais distante
mergulhar em profundos pensamentos
acomodado na linha do instante
alcanço a raiz de meus tormentos

Lembro da imagem de muitos momentos
algumas são bastante interessantes
códigos de interesses, juramentos
lamentos programados, estressantes

Porém é chegada a hora do corte
Da poda que faz a planta mais forte
Quebra o meu galho e sigo adiante

Mas sigo olhando pro rumo da sorte
Até já corri por falta de norte
hoje já busco por passo constante

sábado, 21 de janeiro de 2012

Revelações

Num pensar silencioso
tento ser mais expressivo
Ao buscar adjetivo
pra escrever algo vistoso

O problema é que me privo
ao ser tão pretensioso
meu projeto ambicioso
tem que ser bem sugestivo

Mas é bom quando me atrevo
Eu procuro dar relevo
para aquilo que se diz

É por isso que eu escrevo
Pois assim sempre me levo
a tentar o que não fiz

domingo, 15 de janeiro de 2012

Precisamente

Palavras soltas que brotam na mente
querem declarar as nossas loucuras
trazer o prazer do mais diferente
fazer o achado de nossas procuras

Busca por algo que seja indecente
brincar, deleitar-se em outras misturas
poder destilar a raiva que sente
acabar de vez com nossas torturas

Quebrar a prisão de qualquer corrente
nos libertarmos das tão falsas juras
percebendo assim que a vida da gente
fica mais bela com novas costuras

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Sustentado

Gostosura ou travessura?
traçoeiro em teu traseiro
nesta altura uma estrutura
traz o ventre ao travesseiro

atraves dessa sutura
salta sempre sorrateiro
voz serena na fissura
faz feliz o mais faceiro

Não se safa a formosura
a safada sempre fura
simplesmente trapaçeira

Mas a farra nas escuras
de bons sarros e leituras
sacraliza as brincadeiras